Conhece o MQA, formato de áudio de alta resolução?

Conhece o MQA, formato de áudio de alta resolução?

Ofertas recentes no mercado fonográfico japonês apontam para o ressurgimento do MQA, áudio de alta resolução que aparentemente nunca chegou ao Brasil.

 

MQA, ou Master Quality Authenticated, é um formato de áudio lançado anos atrás pela Meridian, empresa de enorme reputação na construção de codecs de áudio, como por exemplo, o Meridian Lossless Packing, ou MLP, usado para áudio 5.1 no DVD-Audio.

O formato MQA foi lançado em 2014 e é comprimido (“lossy”). A  joint venture Warner-Meridian passou às mãos de uma empresa com o nome de MQA Limited, que licencia o uso do codec para terceiros.

Um dos objetivos de fazer um novo tipo de áudio comprimido de alta resolução é o seu uso em streaming, o que vem sendo feito pelo serviço Tidal, disponível no Brasil. Para acessar o conteúdo rotulado como “Masters” (MQA) é preciso assinar o plano HiFi, por US$ 19.99 (cerca de R$ 77,47 ao câmbio de hoje).

 

 

Eu me considero uma pessoa com razoável vivência neste mundo do áudio, mas não tenho medo de confessar a minha completa ignorância e desconhecimento deste codec. Na dúvida, eu fui perguntar a um amigo muitíssimo mais conhecedor de áudio do que eu, e ele também nunca tinha ouvido falar do MQA.

O que me chamou a atenção recentemente sobre a existência do MQA foi o anúncio recente de CDs contendo arquivos codificados no formato, a serem lançados por uma empresa japonesa. Diga-se de passagem que o Japão é pródigo de lançar formatos que a maioria de nós nem desconfia por quê. Anos atrás os japoneses levantaram uma tese de que SACD não híbrido (sem a parte do CD inclusa) tem sonoridade superior, tese esta que não encontrou sustento em outras partes.

Críticas

A aceitação pública de diversos segmentos para o MQA está dividida, algumas das críticas com fortíssima objeção contra o formato, como esta vinda da Linn, reputado fabricante de hardware de alta qualidade. A objeção se dá em múltiplos níveis, entre os quais aqueles envolvendo as etapas de geração do codec dentro do arquivo fonte, todas elas, sem exceção, com pagamento de direitos para a MQA.

O licenciamento abrange hardware e software, o que acresce o custo da produção de arquivos MQA para o consumidor final. E isso qualquer um pode ver facilmente no preço praticado no varejo para um decodificador off board adequado.

O MQA parece, em princípio, destituído de proteção contra cópia (DRM), mas na realidade todos os arquivos são submetidos a um “fingerprinting” (impressão digital), que verifica cada etapa da cadeia de produção a qual o arquivo fonte é submetido. Na prática, isto significa que se a cadeia de reprodução não for 100% compatível o resultado final não será realizado.

Os proponentes do MQA argumentam que o fingerprinting tem como objetivo ajustar a reprodução do áudio segundo a fonte, da mesma forma como as características físicas de uma lente podem ser ajustadas por programas capazes de ler os metadados embutidos nas imagens fotográficas geradas por ela. O problema é que em sistemas de captura de áudio nada é gravado que possa indicar este tipo de “assinatura” eletrônica. Assim, na codificação do MQA as informações deste tipo são inseridas por um método que não é devidamente esclarecido. Tanto assim, que qualquer um poderia inferir que se o equipamento de fonte não tem assinatura alguma, todo o processo de descoberta é empírico, podendo até ser um exercício de adivinhação.

Pelo sim pelo não, a simples reprodução de uma mídia convencional, feita através de um equipamento com características eletrônicas avançadas, é direta e não pressupõe nenhum tipo de algoritmo para estabelecer a cadeia de gravação da fonte.

Escassez de oferta

Eu estou naquele grupo que não aguenta mais ver exposto à venda álbuns que a gente já teve em diversos formatos, como por exemplo “Dark Side Of The Moon”, rock progressivo do grupo Pink Floyd. Este tipo de gravação atravessou décadas, desde o Lp estéreo, passando pelo Lp quadrafônico e indo parar no SACD 5.1, que tentou motivar a adoção deste último formato.

E o que a gente viu são formatos de áudio de alta resolução, com o SACD e o DVD-Audio que acabaram por se tornar comercialmente um fracasso retumbante!

Ora, o que tem por aí ofertados como MQA é a mesma coisa. Com o agravante que, com exceção de um material de música clássica para download, o que sobra do catálogo é de pouco interesse para outros tipos de ouvinte.

Em última análise, o questionamento será embasado na oferta de mais um formato, quando outros formatos que ainda estão por aí nunca conseguiram se estabelecer como padrão de áudio de alta resolução, obrigando o usuário a manter equipamentos multiformato na cadeia de reprodução doméstica.

A tentativa recente de reintroduzir o MQA me remete (e ouso dizer a muitos outros usuários) à indagação de que se outro codec com o mesmíssimo material fonte faz sentido ou não. Posso estar posando como hipócrita (e talvez esteja mesmo) ao afirmar que não faz sentido adotar mais um formato, com custo elevado, sem aparentemente nenhuma contribuição importante ao que já existe por aí. Mas, como a escolha é individual, eu posso muito bem estar enganado!

 

Outrolado_

 

 

Oppo Digital vai parar de fabricar reprodutores de mesa

 

Serviços de streaming versus colecionadores de discos

 

Que falta um subwoofer faz!

 

Do tempo das diligências ao som digital

Paulo Roberto Elias é professor e pesquisador em ciências da saúde, Mestre em Ciência (M.Sc.) pelo Departamento de Bioquímica, do Instituto de Química da UFRJ, e Ph.D. em Bioquímica, pela Cardiff University, no Reino Unido.

2 comentários sobre “Conhece o MQA, formato de áudio de alta resolução?

  1. Olá Paulo

    Mais uma vez trazendo a tona um tema significante para conhecimento
    geral, e debate de todos que apreciam o assunto áudio.
    Suas ponderações foram corretíssimas, apenas mais um formato de codec.
    Sem propósito e desnecessário. Afinal a exemplo dos codecs de vídeo,
    esse outro não agrega nada em matéria de “inovação”, apenas um novo
    formato baseado em outros já lançados. Isso ao meu ver é sinal de
    que os fadados “mestres em tecnologia” erraram e muito, no processo
    inevitável da digitaização tanto do vídeo quanto do audio.
    A maior prova disso é a volta com força na Europa e nos EUA
    no Vinil. Será que não percebem que digitalizar é a mesma coisa de
    comprimir, e isso degrada o áudio? A fisica é clara, ao se comprimir muita coisa será perdida.
    Qual seria a solução Paulo ? Seria voltarmos atrás e aprimorarmos
    o que já existia antes (fitas magnéticas, e vinil) ?

    • Oi, Rogério, existem vários codecs de alta resolução e com excelente desempenho. Mesmo o CD, que muitos puristas desconsideram, tem resolução suficiente para reproduzir música fidedignamente. A volta para trás, na minha opinião, seria um retrocesso, porque o áudio analógico mostrou limitações ao longo do tempo, que eu não teria espaço para listar aqui, mas acredite que essas limitações foram aquelas que impulsionaram a mudança de ambiente, entre outros fatores. Não há como aprimorar vinil. Este foi um assunto que eu estudei a fundo no passado distante, e vi funcionando em estúdio de corte. Conheço detalhes o suficiente para nunca mais voltar a tocar um Lp na minha vida, e fico abismado de ver o high end europeu fabricando toca-discos com valor absurdamente alto, mas neste mundo há público para tudo, e eu respeito isso. No que me concerne, eu estou fora de Lp e fita cassete e não volto mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *